12 de outubro de 2008

La Ronda #5

Fui convidado pelo Carls, autor do blog El Universo de la Cerveza, a participar na Ronda #5. Pelo que percebi, a coisa desenrola-se da seguinte forma: em cada Ronda é lançado um tema de discussão por um dos autores dos blogues participantes. Aos restantes autores cabe a tarefa de escrever, nos seus respectivos blogues, as suas opiniões e ideias acerca do tema em questão.
E como habitualmente não recuso desafios (pelo menos ao que a cerveja diz respeito), cá estou eu para participar na Ronda #5.
A questão lançada pelo Carls é a seguinte: que país faz a melhor cerveja? Porquê? E quais são as 3 cervejas que mais gostamos desse país?
Não haveria questão mais fácil para responder, uma vez que sou um confesso apaixonado pelas cervejas belgas.
Posso dizer que foi paixão à primeira vista. Uma das primeiras cervejas "a sério" que bebi foi uma Chimay Bleue, comprada no El Corte Inglés de Granada, e desde esse dia as cervejas belgas, e em especial as Trappistes, passaram a ser as minhas cervejas de eleição.
Para além da inquestionável qualidade das cervejas, penso que a história e o misticismo que está por detrás da sua produção é também uma das razões que me faz gostar ainda mais delas.
Outra ponto que favorece estas cervejas é o facto de ser bastante fácil encontrá-las nas grandes superfícies comerciais ou até em bares que tenho por hábito visitar. Quanto a outros estilos de cerveja, as coisas já não são bem assim. Vão-se encontrando algumas cervejas de trigo (Erdinger, Franziskaner e Paulaner), stout's (Guiness e pouco mais) e de resto não há muito mais a acrescentar. Por estas razões as cervejas belgas são aquelas que mais aprecio e também as que melhor conheço.
Quanto às 3 cervejas belgas que mais aprecio, é para mim bastante difícil elaborar um ranking, mas, sem as colocar por qualquer ordem de preferência, posso destacar aquelas que habitualmente me fazem companhia e que me deixam bastante satisfeito: Chimay Bleue, Duvel e Bush Ambrée, todas diferentes mas todas excepcionais.
Tenho uma enorme curiosidade em relação à que é considerada por muitos a melhor cerveja do mundo. Não, não é a Carlsberg, aliás, muito longe disso, é a Westvleteren 12. É uma cerveja belga produzida na abadia de Sint-Sixtus e que tem tanto de boa como de difícil de encontrar. Mas eu um dia hei-de lá chegar.

7 comentários:

El Universo de la Cerveza disse...

Muy buena la participación en La Ronda #5. Comunicarte que si quieres que el resto de participantes acceda a leerla, debes anunciarlo en El Universo de la Cerveza.

Saludos cerveceros.

Edson Costa disse...

Gracias. Voy a anunciarlo en El Universo de la Cerveza.

Saludos

VdeAlmeida disse...

Só podia mesmo, Edson!

Abraço

El Universo de la Cerveza disse...

Te informo que ya puedes ver el resumen de La Ronda #5 en http://eluniversodelacerveza.blogspot.com

Saludos cerveceros.

Catador disse...

Estás cordialmente invitado a la siguiente Ronda:

Invitación a La Ronda #6

Salud!

alfacinha disse...

A WESTVLETERN ,também é dificil de encontrar na Bélgica ,pois os padres fazem cerveja só para surportar a abadia e não tem nemhum objectivo de lucro.Todavia ,deste tipo de cerveja há sufficientes alternativos na Bélgica como a westmalle ou st bernardus também cervejas monásticas e excelentes. cumprimentos de Antuérpia

Edson Costa disse...

Caro alfacinha, antes de mais muito obrigado pelo comentário.
Sem dúvida que existem excelentes cervejas trapistas para além da Westvleteren 12. Das que falas-te apenas tive a oportunidade de provar a Westmalle, que é sem dúvida uma grande cerveja.
Posso também citar as Chimay e as Rochefort como excelentes exemplares do estilo.
Relativamente à Westvleteren 12, tem muita fama e quem a prova diz maravilhas, mas tal como dizes, não é fácil de encontrar. É um prazer que não está ao alcance de todos.
Não posso deixar de te dizer que invejo a sorte que tens de viveres na Bélgica, pelo menos no que a cerveja diz respeito. Grandes néctares se bebem por aí.

Abraço